Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Papo Cheio

Meus Aromas e Sabores

Papo Cheio

Meus Aromas e Sabores

Ter | 17.11.09

formigos à minha moda

Tina

 

 

 

 

formigos ou ovos mexidos (como se chamam na Beira Litoral

 

 

 

 

 

 

1 litro e meio de água

umas pitadas de sal

açúcar q. b.

1 pau de canela

1 fava de baunilha

1 casca de limão

1 cálice de vinho do Porto

1 colher de sopa cheia de manteiga

4 colheres cheias de mel

meia chávena de chá de azeite ou banha de porco

6 a 8 pães atrasados cortados aos bocadinhos pequenos

8 gemas batidas e passadas por um coador

canela para polvilhar

 

 

Temos uma panela com água, onde juntamos, em frio, todos os ingredientes.

Mexemos e acrescentamos o açúcar ao gosto de cada um. Isto, pelo facto de haver pessoas que gostam das coisas mais ou menos doces.

Leva-se ao lume brando a cozinhar.

De quando em vez, com colher, vamos mexendo para não torrar no fundo.

Quando o pão estiver completamente desfeito, aí, temos de ter muita atenção e continuar, sempre a mexer com a colher, reduzir o lume, pois salpica, pode causar queimaduras e  torrar no fundo do tacho.

Quando acharmos que já está com cor castanhinha e com consistência gelatinosa, retira-se do lume.

Retiram-se também a casca  de limão, o pau de canela e fava de baunilha (esta pode ser lavada, seca e de novo utilizada).

 

Esta receita é muito antiga e nortenha. Antigamente não havia varinha mágica, por isso o pão tinha que ser cortado muito miudinho, para se desfazer completamente com a cozedura.

Hoje, como as novas tecnologias, eu uso a varinha para triturar tudo e obter uma espécie de creme espesso, que fica óptimo.

 

De seguida, acrescento, com cuidado, as gemas batidas e passadas em coador fino. 

Levo uns minutos ao lume a cozer as gemas e estão prontos, os formigos.

Ter também em atenção que em vez de misturar as gemas ao preparado quente, para não cozerem, deve misturar-se colheradas (aos poucos) do preparado aos ovos e mexer continuamente até elas aquecerem. Só depois é que se misturam ao restante preparado no tacho.

Não necessita de ficar grosso, pois ao arrefecer eles solidificam, tal como a marmelada.

Verte-se o preparado em recipientes (tigelas, por exemplo....no norte, conhecidas também, por malgas), e deixa-se arrefecer.

Por fim, polvilha-se com canela em pó.

Há quem guarde no frigorífico. 

 

Uma sugestão: Há quem costume juntar frutos secos no fim, como pinhões, nozes, passas. Eu, particularmente, aprecio ao natural. No entanto, fica bom com os frutos secos.

 

Esta receita é de minha avó, e aprendi-a com minha mãe.

Antigamente a vida era mais complicada e difícil para as pessoas.

Não havia esta sociedade de consumo de hoje, nem tantos produtos à venda....e muito menos dinheiro para se gastar. Então, eles serviam-se dos produtos que produziam, era uma sociedade de subsistência....... e como no norte é frio, tinham que se alimentar bem, assim, procuravam confeccionar pratos onde entravam produtos simples e fáceis de obter......

A receita original levava banha de porco.......eu, como não posso comer gorduras animais, utilizo azeite e fica bom, de qualquer modo! Também não levava fava de baunilha, eu é que costumo utilizar na maioria dos pratos de comer à colher.

Então, aqui têm um exemplo dum  prato  muito substancial e calórico e ao mesmo tempo doce.

 

 

sem a canela polvilhada

 

 

 

 

 

(Tina) 

 

 

música: Canzoni di natale Wham! - Last Christmas

 http://www.youtube.com/watch?v=QotJ-YrHJhA

 

 

 

 

 

BLUMEN

6 comentários

Comentar post